13 de out de 2010

Curta: A menina e o Gigante

Nota(Iniciativa): +
Nota(para o curta):+
País: Brasil
Ano: 2010
Gênero: Ficção
Duração: 35 min
Diretor: Ademir Di Paula

O planeta Terra é subitamente atacado por uma horda de alienígenas robôs que atribuem aos humanos o fim de sua raça no futuro. A única esperança para o mundo é a ajuda de outro alienígena (robô) que pousa na Terra para proteger uma misteriosa garota que possui ligações paranormais com sua raça.

__________________________________

Eu espero que o curta do pernambucano Ademir Di Paula se trate disso que coloquei na sinopse, porque foi o que eu entendi. Esse trabalho para mim é uma alegria e tristeza ao mesmo tempo, como vocês podem perceber nas notas lá em cima. Coloquei nota máxima pela iniciativa, pois até onde percebi o Ademir Di Paula é um cara revolucionário com ideais de liberdade para criações cinematográficas e também ele pretende, com seus trabalhos, romper essa concreta barreira para a ficção científica que nosso cinema nacional construiu. Quanto a isto, parabéns senhor diretor, só tem você e o Guaraná Antártica num almoço caseiro de domingo.

(Mas espera aí que para falar do curta eu vou passar até para outro parágrafo.)

A nota mínima eu coloquei só porque alguns (eu disse: ALGUNS) efeitos visuais ficaram "bacaninhas", porque se não era ZERO! A trama é uma droga, a CG ficou ridícula e os efeitos visuais praticamente gritam "Olá, eu sou amador e tão desagradável quanto cocô de gato!". Sinceramente eu não sei o que se passa pela cabeça de um cara que faz isso! O mínimo de bom senso que ele poderia ter tido era o de focar seu trabalho em poucos minutos, mas com uma qualidade apreciativa e não nesse lixo monótono. Nem no tempo de VHS tinha tanta miséria.

É um curta de 35 minutos que poderia ser reduzido para dois tranquilamente, porque não acontece NADA em 33 minutos de vídeo! Apenas imagens repetindo, uma musica chata zunindo pra simular suspense (E olhe que não vou nem comentar o "sound FX" do movimento dos robôs) e um monte de efeitos especiais copiados da internet.

É sim: copiados da internet. Pra mim isso não é cinema, é crime! Porque o senhor Ademir está ganhando dinheiro em cima desse curta pra fazer (segundo ele) outros. Fora o uso de softwares que ninguém garante a originalidade (esse tipo de coisa também é incluso em orçamentos de verdade). Veja o exemplo:



E se vocês quiserem brincar de "onde está o Wally", podem fuçar esse site que vocês vão achar muitas "referências" ao trabalho do Andrew Kramer (presidente e fundador do Videocopilot) no curta "A menina e o Gigante".

Ainda tem tanta coisa ruim pra falar do vídeo que eu acho melhor parar por aqui, se não eu vou ficar com raiva de verdade lembrando dos 35 minutos que perdi da minha vida assistindo-o. Vejam o curta, meus queridos, e não esqueçam que esse foi o resultado da iniciativa de um homem com R$ 180,00 e a vontade de fazer algo diferente. Uma droga, porcaria, LIXO, mas teve seus 15 minutos de fama...

Vai que ele produz algo bom de verdade. Pode ter certeza que se isso acontecer, estarei mostrando aqui e elogiando.

2 comentários:

  1. Com certeza não tinha isso no meu tempo...

    com o bom e velho VHS tudo era mais difícil, o que dificulta o trabalho de amadores, depois que inventaram essas mídias digitais, ta aí...

    só da merda...

    ResponderExcluir
  2. aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa carai de asa, homi eu perdi 35 minutos da minha vida assistindo essa merda, dá vontade de jogar a porra do monitor contra parede, porra eh, cada cena são 30 minutos só pra acontecer alguma porcaria, nammmmmmmmmm!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir